Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



É para aprenderes

06.11.14

Outro dia cheguei a casa e lá tinha ele outra vez atirado a caça para cima da mesa da cozinha, como se ainda vivêssemos no tempo do D. Afonso IV, o filho da mãe que mandou cortar a cabeça à Inês de Castro. Três perdizes e duas lebres, tudo morto e por esfolar, e eu com cara de parva a olhar para aquilo sem saber o que fazer. Sou boa caçadora, nunca tive medo de uma arma e sei que o gajo tem uma inveja surda e aguda da minha pontaria, mas daí a levar com a caça em cima da mesa da cozinha, vai um abismo que não quero saltar.

Cheguei à sala, estava o parvalhão a limpar a arma, e disse-lhe:

  • Mas que merda é aquela em cima da mesa da cozinha?

E o cabrão, sem levantar os olhos, com o pano cor de laranja de flanela na mão, a fazer festas no cano da espingarda como se fosse um gaja, responde, sem se dignar a levantar os olhos:

  • Se não sabes esfolar aquilo, aprende com a Rosa, que está

em boa altura de saberes.

Eu já o tinha avisado duas vezes que não queria a merda da caça em cima da mesa, que a deixasse à porta de casa da Rosa, que é a caseira da quinta, e que ela se encarregasse de tratar daquilo, mas o gajo é burro, é burro e obtuso, porque pensa que pode mandar nas mulheres, que são todas criadas dele, que pode pôr e dispor sem lhes pagar nada e ainda por cima andar por aí a meter-se com as miúdas da vila, mas comigo vai de carrinho, porque eu não paciência para aturar machismos do tempo da primeira dinastia e por isso respondi-lhe:

  • Ou tiras essa merda de cima da mesa da cozinha imediatamente, ou dou-te um murro na tromba que ficas da cor do cano da espingarda.

O gajo levantou os olhos, muito devagar, a desafiar-me e disse, ainda mais devagar.

  • Repete lá que disseste.

E eu repeti. Então o gajo encostou a arma ao sofá, levantou-se com um movimento cinéfilo que me fez lembrar o Gaston do filme A Bela e o Monstro, chegou-se ao pé de mim e gritou:

  • Repete lá o que disseste.

E eu repeti, mas desta vez aos gritos. E o gajo, que é um cobardolas de merda, sentou-se outra vez e recomeçou a limpar a espingarda.

Foi então que me passei completamente dos carretos, fui á cozinha, peguei na merda da caça, atirei-lhe com os bichos mortos à tromba e lhe disse:

  • Vou-me embora, que é para aprenderes e não ser estúpido.

Saí porta fora, meti-me no carro e vim-me embora com a roupa que tinha no corpo, sem olhar para trás. Pelo retrovisor ainda vi o jipe dele a perseguir-me na auto-estrada, mas passei-o na Via Verde, porque como o gajo era bruto nunca tratado dos papéis.

Ainda o aturei várias noites a uivar como um cão à porta da minha casa de Lisboa durante mais três anos, até que agora, arranjou uma criadita qualquer que lhe deve esfolar a caça e me desamparou a loja.

Dizem-me que está velho e gasto, que perdeu aquele ar de cowboy que me enfeitiçou quando era miúda e ainda não sabia distinguir os gajos maus do muito maus. Mas agora só quero é que o gajo fique por lá com a Rosa, as criaditas, as perdizes e as lebres e nunca mais se lembre que eu existo, senão ainda pego na minha espingarda e lhe dou cabo do canastro que para o gajo aprender a não ser parvo.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Seguir no SAPO

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D