Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


E UM DIA TUDO MUDA

27.04.15

certas coisas demoram tempo a conseguir mas quando

O impossível não existe, o que existe é uma percepção limitada daquilo que é possível.  E os afectos só nos servem para nos abrir para o mundo e para nos dar segurança.

Partir não é fugir. Fugir é não falar, não ouvir, é viver escudado numa realidade fabricada.

O silêncio nuca resolve nada

 

Há um dia em que acordas e já te nada te dói. Dormiste nove horas sem sonhos agitados, a luz entra pela janela e o dia começa a puxar por ti. A ausência já não te pesa, o silêncio já não te sufoca. Olhas para o iphone e sabes que não vais ler nenhuma mensagem, mas também já não tens pena.

Pensas no outro e desejas que seja feliz, onde quer que esteja. Tens saudades, vais ter sempre, mas são saudades boas, porque sabes que essa pessoa não está ali porque não quer, porque quer outra vida, porque tem o direito de escolher o que quiser e tu não tens nada a ver com isso.

Olhas para o passado com distância, ainda sentes algum carinho, mas já estás a ser dominado por uma força oposta ao amor que é a indiferença. Começas a perceber que o que sonhaste nunca seria possível. Sentes que foste um bocadinho ingénua, talvez o outro também tenha sido, ninguém fez por mal, ambos deram o seu melhor, mas o não era a mesma coisa e por isso não conseguiste construir aquela realidade feita de duas realidades tão diferentes.

Já não sentes mágoa, a vida parece-te de novo leve a fácil, gostas de não ter ninguém de te sentir livre, de saber que logo à noite podes encomendar um sushi a ver a tua série preferida, ou apanhar um avião para um lugar qualquer onde te sintas em casa.

 

Vais porque sentes que já não precisas de fugir de nada nem de ninguém, vais porque queres, porque podes, porque tens domínio total do teu tempo, da tua consciência e da tua liberdade. Vais porque sabes que não carregas uma grama de tristeza na tua bagagem, voas com o vento, leve e livre como uma borboleta.

Acredito que as mudanças são quase sempre para melhor. É certo que assustam e só acontecem quando aqueles que as desejam não as temem, quando acreditas que tudo é possível. O Dalai Lama diz que o impossível não existe, o que existe é uma percepção limitada daquilo que é possível. A vida dá tantas voltas e o mundo está cheio de absurdos, mas a ordem natural acaba, mais cedo ou mais tarde, por restabelecer a paz. A sala de embarque é uma porta para um novo mundo e tu só mais uma pessoa por entre a multidão em busca de novos caminhos. Não és um peso na vida de ninguém e ninguém te pesa no coração, nada nem ninguém te limita para a vida.

Os afectos só nos servem para nos abrir para o mundo e para nos dar segurança. Partir não é fugir. Fugir é não falar, não ouvir, é viver escudado numa realidade fabricada. O silêncio nuca resolve nada. E tal como só quem já esteve preso conhece o verdadeiro sabor da liberdade, também só quem já foi refém de um grande amor valoriza a paz no coração.

Cada escravo carrega a chave da sua liberdade. Nem sempre a descobrimos quando queremos, mas quase sempre conseguimos encontra-la quando mais precisamos dela.

A Simone de Beauvoir escreveu é mais fácil viver numa escravidão cega do que trabalhar para se libertar. Somos todos escravos do nosso coração quando o usamos para viver, ou da ausência dele, quando o transformamos num motor que serve apenas para bombear o sangue. Aqueles que dizem tudo e vivem tudo sem medo sofrem tanto como os que contêm o que sentem dentro de caixa negra.

Toda a gente sofre por amor, mas quem dá tudo, é sempre mais livre. E acredito que também por isso, mais feliz. E ser feliz é encontrar paz em tudo o que se tem, que é sempre muito mais do que pensamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A MINHA AMIGA LAURA - OU PARA QUE SERVEM AS AMIGAS

06.04.15

amizade.jpg

 

 

O amor é uma espécie de roleta russa com balas de borracha, daquelas que não matam mas fazem mossa e até passarmos a fase da paixão em que o outro nos parece sempre A Pessoa Certa Para Nós, precisamos de alguém com uma visão mais clara e objectiva dos factos.

 

Tenho para mim que o amor me enfraquece, diz-me a Laura, amiga de longa data, entre duas passas de cigarro. A Laura é boémia, gosta de copos e de noite, às vezes vamos dançar, mas assim que lhe digo que fui apanhada na curva pelo sono, já me conhece tão bem que vai comigo à rua apanhar um táxi, e no dia seguinte liga a perguntar se dormi bem.

A Laura pertence a um tipo pouco comum de mulher, não tem tendência para se apaixonar. Como elas se define, e bem, não estou para meias coisas; ou tenho casos ou então caso-me e assunto arrumado. Só namorou quando era muito nove e ainda não tinha percebido como é que os homens funcionavam. Para ela, os homens só tê dois modos: o on, quando estão apaixonados, ou gostam de nós e nos dão toda a atenção do mundo, e off, quando se desligam e deixamos de existir. Pergunto-lhe: mas então eles não dúvidas, nem sonhos como nós? Sim, mas nem todos. Ou seja, todos têm coração, mas nem todos o usam.

Eu gosto de conversar com a Laura por ser tão diferente de mim. Amamos os amigos e os filhos da mesma maneia, mas não colhamos para os homens da mesma forma. A Laura trata-os bem, mas dá-lhes pouca confiança. Não precisa de estar envolvida com ninguém para se sentir feliz. Basta-lhe uma aventura saudável, de preferência com um homem que esteja livre, mas que não queira namorar com ela. Namorar é coisa de adolescente, diz-me. Então como é que conheces o outro, como é que vais desenvolvendo uma relação com ele? Através da cumplicidade e de uma amizade erótica. E se sinto que me estou a envolver, corto as vasas e fujo., desisto, porque tenho para mim que o amor me enfraquece.

Escrevo sobre a Laura porque acredito que nós, mulheres, temos muito a aprender com ela. É evidente que ser mais ou menos fria com os homens depende das expectativas que temos sobre eles e da forma como encaramos o amor. Mas no meu caso, que sofro de Romantismo Crónico, a Laura é o meu grilo-falante; não me deixa levantar os pés do chão. E mesmo assim, quando a teimosia me tolda a lucidez a me ponho a jeito, a Laura nunca ralha, nunca é moralista, nunca lhe sai o clássico, eu bem te avisei, porque me conhece e sabe que cada um é como é.

Todas as mulheres deviam ter uma ou duas Lauras na vida. São como um escudo protector, uma espécie de batedores nos caminhos sinuosos da floresta: elas farejam o lobo mau muito antes de nós e raramente se enganam no diagnóstico. É claro que podemos sempre escolher o caminho da estrada em vez de ir pela floresta, mas é na floresta que há sonho e mistério e borboletas, dentro da barriga e fora dela. O amor é uma espécie de roleta russa com balas de borracha, daquelas que não matam mas fazem mossa e até passarmos a fase da paixão em que o outro nos parece sempre A Pessoa Certa Para Nós, precisamos de alguém com uma visão mais clara e objectiva dos factos.

Quem tem uma Laura, tem um anjo da guarda, embora o que ela nos diga nem sempre nos anime. Duas cabeças pensam melhor do que uma, sobretudo se uma delas estiver sob o efeito estupidificante e entorpecedor da paixão. Há amizades que nunca se podem perder, por serem mais fortes, mais sérias e mais vitais do que alguns amores. Sobretudo aqueles que parecem ser tudo e depois acabam em nada. Nesses momentos de vazio e de confusão, a visão pragmática de uma mulher sábia é como um balão de oxigénio. E mesmo que nos custe respirar, é sempre melhor lidar com a verdade do que enterrar a cabeça na areia e fingir que não percebemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

ZONAS CINZENTAS & OUTRAS PARVOÍCES

27.03.15

Desculpem ser antiquada, mas ainda continuo a acreditar em declarações de amor antes do primeiro beijo, no compasso de espera necessário até o momento certo para partilhar o corpo e na paz que é andar de mãos dadas na rua com quem amo.

Sem dúvidas nem zonas cinzentas, dentro ou fora da cama.

 

Dei pelo fenómeno das 50 Sombras de Grey há 4 anos numa livraria em Londres, mesmo antes do livro estoirar nos tops. Peguei por acaso, li dois ou três parágrafos, achei desinteressante, estereotipado e larguei-o. Com o passar do tempo apercebi-me de que o livro surtia nas mulheres um efeito mágico que as conduzia a uma sensação de libertação. Mesmo assim, não o li. A ideia de uma jovem ingénua que é seduzida para os caminhos da perversão por um manipulador experiente não tem nada de original.

Qualquer pessoa com dois dedos de testa percebe que a inocência é o caminho mais curto para a perversão, porque o instruendo nem sabe ao que vai. O instruído é que sabe e, jogos de prazer aparte, qualquer tipo de relação em que haja submissão de um em favor do outro, sou contra.

Já nos bastam as barbaridades diariamente praticadas na Turquia, Egipto e Iémen, entre outros países, onde é permitido que meninas de 8 anos sejam legalmente casadas com animais de 40 que as violam até à morte na noite de núpcias. Ou as barbaridades cometidas pelo Estado Islâmico. A violência dos homens em relação a qualquer outro ser vivo é sempre condenável e a subjugação sexual é uma das piores.

É por isso que me irrita tanto esta mania europeia e ocidental da massificação de comportamentos perversos, ou no mínimo, pouco saudáveis. Não tenho nada contra adultos que encontram prazer em práticas sado-masoquistas ou bondage dentro de portas ou em clubes privados vocacionados para a modalidade. Mas daí a tentar tornar essas práticas numa moda, divulgadas em literatura de cordel rasca, vai um passo arriscado que fere inevitavelmente a Humanidade.

Andamos há cinco mil anos a lutar pela igualdade entre os sexos, já tivemos avanços e retrocessos, o flagelo é eterno e a tarefa é perpétua. Mas uma das formas de proteger a dignidade feminina é saber distinguir entre o que é ou não saudável numa relação entre um homem e uma mulher. Uma reportagem brilhante sobre violência doméstica que passou recentemente na SIC contou-nos episódios que nos deixaram com a evidência de que em Portugal também existe uma espécie de Estado Islâmico dentro de portas. Ouvir uma criança dizer quando for grande não me quero casar, porque depois vou passar muito tempo no hospital é aterrorizador.

Eu gostava que a nova geração feminina que se afirma tão solta e liberal, que assume a bissexualidade como algo comum, que pratica em casa o que vê em sites pornográficos e foi ver com grande alvoroço o filme das 50 Sombras de Grey à procura de mais sensações que lhe disparasse a adrenalina, parasse para pensar e perguntasse aos avós como viviam o amor. Não aos pais, porque na maior parte dos casos, são filhos de divorciados que nem sempre voltaram a encontrar alguém, e têm por isso uma visão destruída do amor. Se acham que amor é perigoso, mas que o sexo em grupo e outras experiências sensoriais não o são, então algo está profundamente errado na nossa sociedade.

O sexo faz parte da vida e até pode ser praticado sem amor, tirando dele algum proveito, mas nunca conheci ninguém a quem isso chegasse. Sexo com amor é tudo. Mas para o praticar condignamente, é preciso amar o outro e que o outro nos ame. E todos sabemos que o amor é um bem escasso. Talvez o mais prudente seja parar e esperar, em vez de embarcar em números de circo experimentalistas só para mostrar aos amigos que estamos na onda.

Desculpem ser antiquada, mas ainda continuo a acreditar em declarações de amor antes do primeiro beijo, no compasso de espera necessário até o momento certo para partilhar o corpo e na paz que é andar de mãos dadas na rua com quem amo. Sem dúvidas nem zonas cinzentas, dentro ou fora da cama.

Autoria e outros dados (tags, etc)

AMOR TOTAL - NÃO É PARA QUEM QUER, É PARA QUEM CONSEGUE

23.03.15

definição de amor total.png

 

 

Chamem-se romântica incurável, adolescente eterna ou apenas ingénua, mas, como muitas mulheres e homens que conheço, ainda acredito no amor total. Naquele amor que te faz ter desejo, vontade e tesão por Aquela pessoa e não outra.

O amor total requer paixão e exclusividade, porque o que tens com Aquele que amas, não queres nem consegues ter com mais ninguém. E quando praticas esse tipo de amor, ele expressa-se de uma forma emocional profunda, o que faz que nada nele seja mecânico e nunca exista um momento de ausência. É estarmos lá inteiros, de corpo e alma, de carne e de espirito, de cabeça e de coração. E se temos a sorte de viver esse tipo de amor, tudo bate certo: o cheiro, o sabor, o ritmo, a pele. E tudo o que fazes ao outro é bem feito e perfeito, na linguagem infinita que é dar e receber prazer.

Desenganem-se aqueles que pensam que o amor sobrevive de forma saudável sem uma ligação física e carnal que nos agarre. Existem múltiplas formas de amor e as relações amorosas passam por muitas fases, mas sem aquele gancho, sem aquele élan, sem borboletas no estômago antes e depois, sem a sensação de ver o mundo a rodar à nossa volta ao primeiro beijo e a vontade de levantar voo em cada abraço, sem aquele brilho no olhar, não chegamos ao Pleno. E o Pleno é dar tudo sem pensar, é esticar a corda, é ir ao limite sem nunca ter medo de nada, é estar ali inteiro para o outro como se o mundo acabasse amanhã.

Há um arrebatamento nas minhas palavras que pode aparecer exagerado, mas apenas para aqueles que nunca o sentiram. É verdade que este tipo de amor acontece poucas vezes na vida. Há pessoas que passam pela vida sem nunca o viver. E outras que já o sentiram mais do que uma vez. Essas, as mais apaixonáveis, são as que nunca têm medo, mesmo quando jogam com probabilidades baixas e arriscam o seu coração e o seu conforto. São pessoas que nunca desistem e que, mesmo cansadas, nunca baixam os braços.

Eu acredito no amor total, ainda que a vida me tenha ensinado que é muito raro. E acredito que não é apenas uma questão e sorte, mas de construir a boa sorte. Agarrá-lo quando aparece, saber reconhece-lo, e a partir daí, cuida-lo e cultiva-lo como um jardim secreto, porque um dos trunfos de um amor total é saber mante-lo na intimidade. Numa época em que tantas pessoas se deixaram contagiar pela compulsão de partilhar cada momento da sua vida, saber guardar um amor destes é um desafio. Por isso escrevo sobre isto, porque é importante saber calar, saber guardar, saber esperar, saber ouvir o outro, saber dar-lhe tempo e espaço, mostrar-lhe que pode confiar em nós, não apenas por todo o amor que lhe temos, mas porque o sabemos preservar.

Não existem histórias de amor perfeitas e lineares, sem afastamentos, discussões e momentos de dúvida profunda atravessados por aquela sensação horrível de ter uma pedra encostada à garganta quando pensamos que Aquele que amamos já não nos ama, ou desistiu de nós. Mas se existir Amor a sério, o tempo e a vontade acabarão por pôr cada coisa no seu lugar certo. E aquilo que nos está destinado, mais cedo ou mais tarde, acabará por nos chegar às mãos e à vida. Nem que para isso tenha de ir ao outro lado do mundo e voltar. Regressará intacto porque é ali que está o nosso coração e por isso é ali que queremos construir a nossa vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

AMIZADES CASTAS, AMORES PROFUNDOS - SOBRE O ANTÓNIO ALÇADA BAPTISTA

06.03.15

more then friends small gang.jpg

A nossa amizade era tão íntima quanto casta, como, mais tarde aprendi ser uma regra de ouro na amizade entre diferentes sexos: é quando nem um beijo na boca foi trocado, conta-se tudo ao outro, sem filtros nem eufemismos. Uma amizade destas é de um amor profundo.

 

Se eu fosse um objecto era objectivo, como sou um sujeito, sou subjectivo.

Era uma das frases preferidas meu querido e saudoso amigo António Alçada Baptista (1927-2008), ensaísta, escritor, cronista, apresentador de programas de programas de televisão, mas sobretudo um grande amigo do coração que me fez descobrir nada mais do que o Hemingway, o Graham Green e o Steinbeck, entre outros grandes autores.

O António era dez anos mais velho do que os meus pais e foi o primeiro adulto que me disse, trata-me por tu, miúda, porque no fundo temos a mesma idade.

E tivemos, até ele se cansar da vida. Passávamos a vida de braço dado a passear por Lisboa, à conversa como dois caturras e a descobrir tascas baratas e boas de petiscos. Uma vez, o António convidou-me para ma recepção no Palácio de Belém quando o Mário Soares era Presidente da República e, perante o olhar atónito dos conhecidos com quem nos cruzávamos, percebi nele uma malícia sem maldade ao levar-me orgulhosamente pelo braço, disse-lhe ou ouvido: se eles pensam que sou tua namorada, diz-lhes que sim, e vamos gozar o prato. E claro que gozámos o prato todo o serão e acabámos a noite numa tasca do Bairro Alto a rir do embuste: naquela noite devemos ter enganado mais de 100 pessoas.

A nossa amizade era tão íntima quanto casta, como, mais tarde aprendi ser uma regra de ouro na amizade entre diferentes sexos: é quando nem um beijo na boca foi trocado, conta-se tudo ao outro, sem filtros nem eufemismos. Uma amizade destas é de um amor profundo.

O António era viajado e aventureiro, contava-me as patifarias dele e do Jorge Amado e eu, dada a paixões intensas, partilhava os meus sonhos e as minhas angústias. A menina é um bicho que vai dar muito dôr de cabeça à rapaziada porque pensa bem e depressa e não tem medo de nada.

Eu gostava que ele me chamasse bicho porque era a forma mais carinhosa que o António tinha de tratar as mulheres. Mas gostava ainda mais quando ele dizia que eu não era um bicho qualquer, mas um que iria dar trabalho aos homens.

Eu gosto de dar trabalho aos homens porque gostar de um homem a sério dá imenso trabalho.

É preciso ouvi-lo, saber ler nas entrelinhas, dar-lhe espaço, aprender a conhece-lo sem que ele se assuste. É preciso ir-me adaptando, ser paciente, aprender a perceber o que é importante para ele, o que o faz feliz, o que o deixa seguro e o que mais o irrita. Usando mais uma expressão do António, é preciso conhecer o bicho. Só que um homem é sempre um bicho muito diferente de qualquer mulher e por isso mesmo estranho, por mais atraente que seja.

É como se funcionasse noutro sistema operativo, mesmo que desde o primeiro encontro ele nos pareça próximo e familiar. Cuidado com as aproximações meteóricas, redundam quase sempre em colisões catastróficas. Uma pessoa até pode ter sete vidas como um gato, mas se elas não matam, é certo que moem.

Eu adorava ser objectiva, conseguir olhar para um homem e apanhar-lhe as fraquezas antes dos encantos para me poupar a paixões avassaladoras e nem sempre com os resultados desejados, mas se eu fosse um objecto era objectiva, como sou um sujeito, sou subjectiva.

Já dizia a Yourcenar que a realidade nunca é exacta, pois sobre ela paira sempre o véu do desejo. Nós vemos no outro aquilo que somos, aquilo que gostaríamos de ser e aquilo que gostaríamos que ele fosse.

Às vezes temos sorte e o outro é quase tudo o que imaginámos Mas a sorte é rara, bate à porta poucas vezes na vida. E portanto, quando a ouvimos bater, talvez o melhor seja deixa-la entrar e ver o que nos traz de novo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Muros & pontes, ou A Arte de Fazer as Pazes

05.03.15

578971_4508226339775_1595164331_n.jpg

 

 

O orgulho é o grande inimigo da paz. Quantas vezes não reprimimos uma mensagem, um telefonema, um gesto, por não querer dar o braço a torcer? Citando Camus, abençoados os corações que se vergam, pois nunca serão partidos

Quando nos zangamos com alguém de quem gostamos, o passo seguinte é fazer as pazes.

Durante muitos anos não entendia a expressão no plural, porque cresci a ouvir falar de paz no singular: vai em paz, estou em paz, o prémio Nobel da Paz, acordos de paz entre os povos. Mas para que a paz regresse, é preciso que todas as partes envolvidas assim o queiram. Infelizmente ninguém constrói uma ponte sozinho: são precisos pelo menos dois pares de mãos para a erguer. E tempo. E vontade. E paciência. E tolerância. E mais tempo.

Para fazer as pazes é preciso antes de mais estar em paz. Ou, ainda que alguns demónios nos atormentem, acreditar que a paz é o único caminho. Mesmo quando as zangas são inevitáveis e temos fundamentos para a zanga. O importante nem sequer é mostrar ao outro que temos razão, mas tentar que ele entenda o nosso ponto de vista. Mostrar-lhe que nos magoou ou nos tratou mal, ainda que nem sempre o faça propositadamente. O que não vale mesmo a pena é alimentar a zanga, porque a zanga só é útil naquele momento. É como uma rajada de vento: varre as folhas mortas e arrebita as vivas.

O difícil é dar o primeiro passo. Ficar à espera que o outro ceda nem sempre resulta. O outro pode não saber como, pode nem sequer querer um entendimento. Ou pode desejar que a zanga passe, mas não saber como resolver.

Fazer as pazes dá trabalho, requer humildade e amor-próprio. Não tem nada a ver com pedir desculpa ou humilhar-se. Dizer a alguém embora lá beber um café ou dar um passeio a beira do rio porque quero ficar em paz contigo é o mesmo que dizer, eu gosto de ti com os defeitos que me irritam e aceito o que tu queres para nós, mas isso já não me magoa, porque quero o melhor para ti e para mim. E para mim, estar em paz é importante.

O orgulho é o grande inimigo da paz. Quantas vezes não reprimimos uma mensagem, um telefonema, um gesto, por não querer dar o braço a torcer? Citando Camus, abençoados os corações que se vergam, pois nunca serão partidos. Um coração magoado pode recuperar as forças com um pouco de paz.

Um coração que não aceita fazer as pazes, das duas uma: ou já está partido há muito tempo, ou já não está lá para nós. E nestes casos, o melhor é encolher os ombros e dizer ao outro eu tentei. Porque afinal, a longo prazo, o que mais custa na vida é olhar para trás e perceber que não tentámos nada pelo outro e por nós. Essa é a grande tristeza, não tentar. O Muro de Berlim foi construído numa madrugada e demorou quase 30 anos a cair, mas quando caíu, já toda a gente sabia que a sua queda era inevitável. E ainda bem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

ENTERRAR A TRISTEZA

23.02.15

a vida é breve mas nela cabe - saramago.jpg

 

 

A única coisa que vale a pena enterrar na vida é a tristeza. Nem os mortos merecem tal sorte. Mais vale ser cremado, libertar a alma do corpo e deixar que os vivos nos preservem em boa memória.

Enterrar o passado também não serve para nada; ele faz parte de nós, molda-nos de uma forma ou de outra. Enterrar simbolicamente aqueles que amámos e que por uma razão ou outra já não fazem parte da nossa vida é matar o que vivemos com eles, e se o que vivemos com eles foi bom, então há que saber guardar o melhor com um sorriso e um abraço fraterno e protector de quem quer sempre o melhor do mundo a quem já amou.

Um grande amor não se enterra; processa-se, digere-se, aceita-se a vida como ela é o tempo encarrega-se do resto. Podemos até esquecer um dia o quanto amámos aquela pessoa, mas se tentarmos enterra-la no nosso coração, quem vai parar ao lodo é o coração inteirinho e depois é o cabo dos trabalhos tira-lo de lá.

Enterrar e tristeza vale sempre a pena, porque a tristeza torna-nos pessoas egoístas e diminui a nossa empatia para com os outros. Faz parte da perda, mas é preciso não lhe dar confiança. Quando um amor acaba, não vale a pena velar o defunto de corpo ausente porque ele já lá não está. Escolheu outra vida e isso, a longo prazo, pode vir a revelar-se uma sorte para nós. É preciso saber preservar o que de melhor vivemos com o outro, tudo o que aprendemos com ele e sobre nós, porque aprende-se sempre, o que é preciso é ter humildade para aceitar o que fizemos de errado em vez de apontar o dedo ao outro.

Quem escolhe a zanga e quer à força enterrar o que viveu, pode acabar por apanhar um susto quando vir uma mão morta a sair do caixão,

Autoria e outros dados (tags, etc)

HOJE ACORDEI A PENSAR - TEMOS A IDADE QUE ESCOLHEMOS

11.02.15

maggie 3 anos quinta da varzea.JPGJCF_1917.jpg

 

Depois de alguns dias de férias do outro lado do Atlântico, chego a Portugal e deparo-me com uma página dupla na Revista Sábado cujo título é:  'Acredita que estas meninas vão fazer 50 anos?'

Ao meu lado tenho a actriz e produtora Sarah Jessica Parker, a Princesa Stéphanie de Mónaco e a modelo Linda Envangelista. O testo é simpático e de certa forma elogioso. O que me irritou é que todas aparecemos de corpo inteiro enquanto alguma rapaziada seleccionada se limita a ser mostrada com a sua cara: Ben Stiller, Charlie Sheen, Robert Downey Jr. Não gosto particularmente da minha foto: o vestido dourado de lantejoulas justo e curto marca-me as curvas.Foi escolha da produção e fez uma capa da Sábado há cerca de um ano, quando estreou o Sei Lá. A revista queria pôr-me bomba e eu deixei. Mas agora, quando me vi no meio de outras mulheres elegantes - excepção à Stépnhie, que parece fazer gala em não se cuidar - fiquei a matutar: mas afinal o que importa se vou fazer 40 ou 50 anos?

A idade é importante para quem? Para as mulheres? Para os homens? Para os Media? Para ao sociedade?

Para mim a idade só faz sentido se for acompanhada de outra palavra, maturidade. Não me sinto a envelhecer, sinto que os anos me foram amadurecendo enquanto mãe, enquanto escritora, enquanto mulher. Mas nem sempre é esse o sentimento que prevalece. Por vezes o meu coração ainda bate como se estivesse a viver o primeiro amor; ainda chapinho nas poças de agua na maré baixa, ainda fico acordada com insónias a pensar em quem gosto, ainda me apaixono 'de caixão à cova' como se diz em bom português. Continuo a gostar das coisas mais simples da vida: m bom passeio, um gelado na praia, um abraço quentinho, um mimo qualquer. Se alguém me enviar cartões com ursos, não acho ridículo, acho amoroso. Um dia um amigo próximo disse-me: tu falas e ris como uma miúda, és uma miúda, só que com mais idade.

O tempo que separa as fotografias que publiquei é longo. Mais de 40 anos. Mas sinto-me igual a mim, tanto numa como noutra. A questão nem sequer passa em querer parecer mais nova, porque na verdade não sinto que idade tenho, nunca penso nisso. Há dias em que me sinto com 28 anos, outros com 35, outros com 19. Há dias em que percebo que a idade me ensinou a parar, a ter calma, a ser ponderada. E outros em que percebo que nunca mudei naquilo que é mais forte em mim: o optimismo inabalável, o romantismo incurável, a curiosidade insaciável, a capacidade de me encantar e de esperar sempre o melhor dos outros.

Idade, qual idade? Tenho a idade que me apetece ter e ninguém tem nada a ver com isso. O Ney Matogrosso tem 74 anos de idade e continua a ser um animal de palco e um dos homens mais bonitos, distintos e com mais charme que já conheci. Há pessoas que não têm idade. Espero ser uma delas :)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

HOJE ACORDEI A PENSAR, SEM CORAÇÃO NAO HÁ CARÁCTER

04.02.15

é o coração que faz o caracter.jpg

 

A frase é do Eça de Queiroz, mas agora é do mundo, pela sabedoria que encerra. O coração, esse músculo que nunca pára onde gostamos de pensar que vivem os nossos sentimentos, não é só o símbolo da vida, também representa quem somos e como somos para os outros.

É comum dizer-se que um homem ou uma mulher sem carácter não vale nada. Eu vou mais longe. Se não usarem o coração, também de pouco valem. O Coração nem sempre deve prevalecer, por vezes a razão ganha-lhe. Mas acredito que quem não o ouve porque NÃO O QUER OUVIR, perde o melhor da vida, seja mais ou menos romântico, ou mais ou menos pragmático.

Sem coração não há carácter que chegue para fazer os outros felizes. Tenho dito .

Autoria e outros dados (tags, etc)

Da Minnha Amizade com o António Alçada baptista

03.02.15

D1020004.JPG

 

 

 

AMIZADES CASTAS, AMORES PROFUNDOS

 

Se eu fosse um objecto era objectivo, como sou um sujeito, sou subjectivo. Era uma das frases preferidas meu querido e saudoso amigo António Alçada Baptista (1927-2008), ensaísta, escritor, cronista, apresentador de programas de programas de televisão, mas sobretudo um grande amigo do coração que me fez descobrir nada mais do que o Hemingway, o Graham Green e o Steinbeck.

 

O António era dez anos mais velho do que os meus pais e foi o primeiro adulto que me disse, trata-me por tu, miúda, porque no fundo temos a mesma idade. E tivemos, até ele se cansar da vida. Passávamos a vida de braço dado a passear por Lisboa, à conversa como dois caturras e a descobrir tascas baratas e boas de petiscos. Uma vez, o António levou-me a uma recepção no Palácio de Belém quando o Mário Soares era Presidente da República e, perante o olhar atónito dos conhecidos com quem nos cruzávamos, percebi nele uma malícia sem maldade ao levar-me orgulhosamente pelo braço, disse-lhe ou ouvido: se eles pensam que sou tua namorada, diz-lhes que sim, e vamos gozar o prato. E claro que gozámos o prato todo o serão e acabámos a noite numa tasca do Bairro Alto a rir do embuste: naquela noite devemos ter enganado mais de 100 pessoas.

 

A nossa amizade era tão íntima quanto casta, como, mais tarde aprendi ser uma regra de ouro na amizade entre diferentes sexos: é quando nem um beijo na boca foi trocado, que se conta tudo ao outro, sem filtros nem eufemismos. Uma amizade destas é de um amor profundo.

 

O António era viajado e aventureiro, contava-me as patifarias dele e do Jorge Amado e eu, dada a paixões intensas, partilhava os meus sonhos e as minhas angústias. A menina é um bicho que vai dar muito dôr de cabeça à rapaziada porque pensa bem e depressa e não tem medo de nada. Eu gostava que ele me chamasse bicho porque era a forma mais carinhosa que o António tinha de tratar as mulheres. Mas gostava ainda mais quando ele dizia que eu não era um bicho qualquer, mas um que iria dar trabalho aos homens.

Eu gosto de dar trabalho aos homens porque gostar de um homem a sério dá imenso trabalho. É preciso ouvi-lo, saber ler nas entrelinhas, dar-lhe espaço, aprender a conhece-lo sem que ele se assuste. É preciso ir-me adaptando, ser paciente, aprender a perceber o que é importante para ele, o que o faz feliz, o que o deixa seguro e o que mais o irrita. Usando mais uma expressão do António, é preciso conhecer o bicho. Só que um homem é sempre um bicho muito diferente de qualquer mulher e por isso mesmo estranho, por mais atraente que seja. É como se funcionasse noutro sistema operativo, mesmo que desde o primeiro encontro ele nos pareça próximo e familiar. Cuidado com as aproximações meteóricas, redundam quase sempre em colisões catastróficas. Uma pessoa até pode ter sete vidas como um gato, mas se elas não matam, é certo que moem.

Eu adorava ser objectiva, conseguir olhar para um homem e apanhar-lhe as fraquezas antes dos encantos para me poupar a paixões devastadoras e nem sempre com os resultados desejados, mas se eu fosse um objecto era objectiva, como sou um sujeito, sou subjectiva. Já dizia a Yourcenar que a realidade nunca é exacta, pois sobre ela paira sempre o véu do desejo.

Nós vemos no outro aquilo que somos, aquilo que gostaríamos de ser e aquilo que gostaríamos que ele fosse. Às vezes temos sorte e o outro é quase tudo o que imaginámos Mas a sorte é rara, bate à porta poucas vezes na vida. E portanto, quando a ouvimos bater, talvez o melhor seja deixa-la entrar e ver o que nos traz de novo.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Seguir no SAPO

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D